Como o autista reage à uma música

Sabemos que crianças com autismo, processam melhor as informações espaciais e concretas e que seu processamento sensorial é diferenciado. Elas também tendem a focar em partes separadas, a ideia do geral para ela é um tanto quanto confuso.

Alguns fatores particulares, mostram que crianças com autismo tem maior interesse  com sons musicais do que com sons relativos à fala. Isto porque, crianças com autismo tendem a apresentar uma diminuição significativa da ativação de palavras em regiões centrais do córtex pariental, também pode ocorrer nas crianças com autismo, redução nos níveis de atividade do córtex auditivo secundário.

Eles tendem a apresentar uma capacidade perfeita para percepção de melodias simples e um desempenho maior que de indivíduos “normais”, quando processam elementos locais melódicos. Porém, apresentam dificuldades para melodias mais complexas, pela dificuldade de formar imagens musicais.

Como a música pode ajudar uma criança com Autismo

A musicoterapia é uma área da saúde, que usa a música como tratamento. De acordo com pesquisas, foram obtidos resultados a partir de alterações na pele, enquanto estes ouviam música. Essas crianças com autismo costumam ter uma  percepção apropriada dos sentimentos e emoções característicos da música.

A partir da musicoterapia, essa compreensão dos sentimentos e expressão emocional pela criança autista a deixa suscetível à um tratamento.

Benefícios da música para a criança autista

São inúmeros os benefícios da música para a criança autista, entre eles, a música possibilita a interação de pessoas através de instrumentos e improvisações; oferece oportunidades de auto-expressão e de vivências criativas; interação sem a necessidade do discurso verbal; oferece alternativas de expressão e comunicação de modo socialmente adequado; oportunidades para que esses crianças assumam responsabilidades com os demais indivíduos; propiciam o aumento da comunicação verbal e não-verbal; possibilita a aprendizagem de regras sociais;

Segundo o professor Gustavo Schulz Gattino, entre as experiências mais usadas na musicoterapia, pode-se citar a improvisação musical, a composição musical, a re-criação de canções e a audição musical.

links importantes: //www.scielo.br/pdf/pm/n32/1517-7599-pm-32-0137.pdf

 

 

 

Como a música ajuda uma criança autista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *